Notícias

Gente do Bem: Maria Aparecida
11/09/2012

Maria Aparecida Cardoso – “O que mais me emociona na APA é perceber a alegria que os animais sentem quando estamos junto deles. O balançar insistente do rabinho, os abraços que eles nos dão, a calma que eles ficam quando damos colo e suas lambidinhas”

 

O “Gente do Bem” é uma nova coluna do site da APA que chega para contar histórias de voluntários da Associação, que dedicam parte de seu tempo e de seu amor aos animais. São médicos, advogados, professores, veterinários, estudantes... Pessoas que escolheram ajudar, fazer algo, ser a diferença. Em nossa primeira publicação contaremos a história da Maria Aparecida Cardoso, a Cida, como é conhecida na APA.

Cida é professora e tem 57 anos de idade. Sempre quis conhecer a APA, mas, assim como outras pessoas tinha medo do que encontraria por lá. Mal sabia ela que o que encontraria era amor e eterna gratidão dos tantos cachorrinhos e gatos que lá encontraram abrigo. Cida conta que uma vizinha acolheu um cãozinho na rua e cuidou dele por algum tempo, até que um dia ela resolveu levá-lo para a APA por não ter condições de cuidar. “Muitas vezes eu desejei ir lá para conhecer, porém não tinha coragem. Temia encontrar muita tristeza. Até que um dia entrei na página da APA e vi que teria uma Cãominhada num domingo à tarde. Eu fui participar e fiquei com muita vontade de ajudar. Então decidi que eu iria ajudar dentro da sede no que precisassem. Fui acolhida pelo atual presidente, Henrique e sua esposa e passei a trabalhar com eles dentro dos canis”, conta Cida que está na APA desde junho de 2012.

Aos fins de semana, na sede da APA, Cida troca a sala de aula pela limpeza dos canis. “Dentro da sede eu limpo os canis, às vezes ajudo no banho de alguns cães, ajudo minhas colegas voluntárias a levá-los para darem um pequeno passeio e no tempo que sobra procuro brincar e dar um pouco de carinho, por que eles animais ficam muito alegres com nossa presença”, diz Cida, contando ainda o que a motivou a frequentar a Associação. “O que me motivou a frequentar a APA foi o fato de já ter cães em casa e perceber o quanto eles são amorosos, companheiros e nos dão alegria. Eu pensei que todo amor e cuidado que eu dou aos meus cães eu poderia dar também aos outros que não tiveram a mesma sorte. O que mais me emociona na APA é perceber a alegria que os animais sentem quando estamos junto deles. O balançar insistente do rabinho, os abraços que eles nos dão, a calma que eles ficam quando damos colo e suas lambidinhas são a maior comprovação de que eles se sentem felizes com nossa presença.  E eles são capazes de nos dar mais felicidade do que damos a eles. Isso já é suficiente para me fazer retornar a cada fim de semana. As pessoas também me emocionam. O amor, o tempo que despendem cuidando dos animais, o abandono de suas próprias vidas para se dedicarem à instituição me dá força para continuar nesta luta,  quase sempre  tão desigual”, fala Cida emocionada e desta que conhecer e ser voluntária na APA preencheu uma grande lacuna que existia em sua vida. “Eu queria muito ajudar de alguma forma, alguma instituição e meu coração me levou até a APA. Embora seja muito pequena minha colaboração, o amor e a vontade de ver os animaizinhos alegres é grande demais”.

Cida ainda deixa uma mensagem para quem quer conhecer e ajudar a APA. “APA precisa de colaboradores para continuar desempenhando seu papel, que é dar um mínimo de qualidade de vida a esses animais que sofrem, além das dores do abandono, as dores de um atropelamento, de doenças que adquirem nas ruas. E para isso, é necessário apoio das pessoas de bom coração, pois a instituição não tem ajuda oficial fixa. A alegria que sinto em frequentar a APA e ajudar um pouquinho é tão grande  que me sinto recompensada pelo meu trabalho. E quem quiser ser feliz e receber uma demonstração de gratidão, venha para a APA fazer um afago nesses animaizinhos. Gostaria de convidar você a juntar-se a nós, pois os animais, além de ração e remédios, precisam muita de proteção, carinho e amor, afinal foram abandonados e só tem a nós.

 

Leia Também

veja +